ANÁLISE AUTOMATIZADA DE VERTENTES DO RELEVO NO MUNICÍPIO DE CANGUÇU-RS COM APOIO DE ÁRVORE DE DECISÃO

Autores

  • Danilo da Silva Dutra
  • Luis Eduardo de Souza Robaina
  • Romário Trentin

DOI:

https://doi.org/10.5216/revgeoamb.v0i34.56696

Resumo

Atualmente existem muitas metodologias para o estudo do relevo e, entre as mais recentes, destaca-se a análise automatizada do relevo a partir do uso de técnicas de SIG. Nesse sentido, o objetivo do presente trabalho é realizar uma análise automatizada das vertentes do relevo no município de Canguçu com apoio de árvore de decisão. Para realização desse trabalho, utilizou-se o Modelo Digital do Terreno (MDT) disponibilizado pelo SRTM. Os parâmetros do relevo como altitude, declividade e forma das vertentes foram cruzados, utilizando árvore de decisão, definindo doze unidades de relevo no município. A unidade I predomina na área de estudo, representada por altitudes maiores que a média, declividades superiores a 5% e vertentes com curvatura plano convergente. Essa unidade caracteriza-se predominantemente, enquanto as nascentes dos canais fluviais de primeira ordem. A partir desse estudo, destaca-se a importância da análise automatizada no sentido de caracterizar, de forma menos subjetiva, as vertentes que compõem o relevo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AB’SÁBER, A. N. “Um conceito de Geomorfologia a serviço das pesquisas sobre o Quaternário”, in Geomorfologia 18, São Paulo, IGEOG-USP, 1969.

BISPO, P.C; VALERIANO, M. M.; KUPLICH, T. M. Variáveis geomorfométricas locais e sua relação com a vegetação da região do interflúvio Madeira-Purus (AM-RO). Acta Amazônica, v. 39, n. 01, p-81-90, 2009.

FRANKLIN, S. E., and D. PEDDLE, 1987, Texture analysis of digital image data using spatial cooccurrence, Computers e Geosciences. 13(3): 293-311.

GUADAGNIN, P.M.A. & TRENTIN, R. COMPARTIMENTAÇÃO GEOMORFOMÉTRICA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO ARROIO CAVERÁ – RS. Geo UERJ. Rio de Janeiro - Ano 16, nº. 25, v. 1, 1º semestre de 2014, pp.183-199.

HASENACK, H; WEBER, E. (Orgs). Base Cartográfica vetorial contínua do Rio Grande do Sul – Escala 1:50.000. Porto Alegre: UFRGS – IB – Centro de Ecologia. 2010. 1 DVD – ROM (Série Geoprocessamento, 3).

HORN, B. K. P. Hill shading and the reflectance map. Proceedings of the IEEE, n.69, v.01, p.14-47, 1981.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Censo demográfico 2010. Rio de Janeiro, 2012.

_____. Base Cartográfica Contínua do Brasil na escala de 1:250.000. 2015. Disponível em: ftp://geoftp.ibge.gov.br/mapeamento-sistematico/base-vetorial-continua-escala-250mil/ Acesso em: 10 dez 2017.

MACMILLAN, R. A. e SHARY, P. A. Chapter 9 Landforms and landform elements in geomorphometry. In: HENGL, T. e REUTER, H. I. (eds), Geomorphometry-Concepts, Software, Applications. Developments in Soil Science, vol. 33, Elsevier, Amsterdam, 2009. Pag. 227-254.

McBRATNEY, A. B.; MENDONÇA-SANTOS, M. L.; MINASNY, B. On digital soil mapping. Geoderma, v. 117, p. 3-52, 2003.

MOORE, I. D.; GRAYSON, R. B.; LADSON, A R. Digital Terrain Modeling : A Review of Hydrological Geomorphological and Biological Applications. Hydrological Processes, 1991.

ROSS, J. L. S. O registro cartográfico dos fatos geomórficos e a questão da taxonomia do relevo. Revista do departamento de geografia. São Paulo. FFLCU-USP (1992).

SILVEIRA, C. T.; SILVEIRA, R. M. P.; Classificação geomorfométrica de unidades morfológicas do relevo no estado do Paraná obtida de atributos topográficos e árvore de decisão. Anais do XV Simpósio Brasileiro de Geografia Física Aplicada. Vitória/ES. 2013.

SIRTOLI, A. E.; SILVEIRA, C. T.; MONTOVANI, L. E.; SIRTOLI, A. R. A.; OKA-FIORI, C. Atributos do relevo derivados de modelo digital de elevação e suas relações com solos. Scientia agraria, v.9, n.3, p. 317-329, 2008.

TRENTIN, R.; ROBAINA, L. E. S.; SILVEIRA, C. T. Compartimentação geomorfométrica da bacia hidrográfica do rio Itú/RS. Revista brasileira de geomorfologia, São Paulo, v.16, n.2, (Abr-jun) p.219-237, 2015.

TRENTIN, R; ROBAINA, L. E. S. classificação das unidades de relevo através de parâmetros geomorfométricos. Revista Mercator, Fortaleza, v.15, n.3, p.53-66, jul./set., 2016.

VALERIANO, M. M. Curvatura vertical de vertentes em microbacias pela análise de modelos digitais de elevação. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, Campina Grande, v.7, n.3, set./dez. 2003.

VELOSO, A. A importância do estudo das vertentes. Geographia, v.4, n.8, p1-5, 2002.

ZEVENBERGEN, L. W.; THORNE, C. R. Quantitive Analysis of Land Surface Topography. Earth Surface Processes and Landforms, v.12, p.47-56, 1987.

Arquivos adicionais

Publicado

2019-08-18

Como Citar

DA SILVA DUTRA, Danilo; DE SOUZA ROBAINA, Luis Eduardo; TRENTIN, Romário. ANÁLISE AUTOMATIZADA DE VERTENTES DO RELEVO NO MUNICÍPIO DE CANGUÇU-RS COM APOIO DE ÁRVORE DE DECISÃO. Geoambiente On-line, Goiânia, n. 34, p. 19–36, 2019. DOI: 10.5216/revgeoamb.v0i34.56696. Disponível em: https://revistas.ufj.edu.br/geoambiente/article/view/56696. Acesso em: 25 maio. 2024.

Edição

Seção

Artigos