ESTUDO DO POTENCIAL ENERGÉTICO FOTOVOLTAICO DAS CAPITAIS DOS ESTADOS DO SUL DO BRASIL

Autores

Resumo

A substituição do uso de energias não renováveis por energias limpas vem crescendo com o passar dos anos. O uso da energia solar a partir de placas fotovoltaicas apresenta-se como uma solução simples e com elevado potencial de produção, porém está diretamente relacionado com as condições geográficas do local, através da radiação solar incidente e a temperatura do ar. O estudo tem como objetivo determinar a produção energética de módulos fotovoltaicos nas capitais do Sul do Brasil (Curitiba, Florianópolis e Porto Alegre) a fim de comparar com a produção gerada na cidade de Calama, no Chile, uma vez que esta cidade apresenta um enorme potencial instalado. A metodologia utilizada foi baseada em uma sequência de equações que resultaram na produção energética referente a um módulo fotovoltaico para todas as cidades analisadas. Os resultados demonstraram que apesar de Calama representar a maior produção energética solar atualmente, as demais cidades demonstraram um comportamento semelhante. Foi observado uma grande variação sazonal devido ao movimento solar, o que impacta diretamente na produção energética dos meses de inverno principalmente. Conclui-se que utilização de um sistema híbrido melhor se enquadra em situações como a apresentada, em que é possível utilizar diferentes tipos de fontes de energia de forma conjunta, assegurando uma otimização de produção durante períodos de menor incidência solar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Paula Carvalho da Silveira, UDESC - Mestrado em Ciências Ambientais

Graduada no curso de Engenharia Ambiental e Sanitária pela Universidade Estadual de Santa Catarina (UDESC). Atualmente, mestranda e bolsista no Programa de Pós-Graduação em Ciências Ambientais (UDESC).

Jaqueline Prestes de Cristo, UDESC - Mestrado em Ciências Ambientais

Possui graduação em LICENCIATURA EM CIÊNCIAS NATURAIS - BIOLOGIA pela UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ - CAMPUS DE PARAGOMINAS (2021). Atualmente sou mestranda do Programa de Pós Graduação em CIÊNCIAS AMBIENTAIS pela UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA e bolsista PROMOP (Programa de Monitoria de Pós-Graduação) do Centro de Ciências Agroveterinárias (CAV) da Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC).

Claudia Guimarães Camargo Campos, UDESC - Mestrado em Ciências Ambientais

Pós-Doutorado (PNPD/CAPES) no Programa de Pós-graduação em Recursos Genéticos Vegetais - UFSC, projeto executado em parceria com a EPAGRI/CIRAM. Doutorado em Meteorologia pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - INPE (2010), mestrado em Meteorologia pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - INPE (2004) e graduação em Meteorologia, pela Universidade Federal de Pelotas/RS - UFPEL (2001). Atualmente é professora da Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC) e do Programa de Pós Graduação em Ciências Ambientais, no campus de Lages. Tem experiência atuando nos seguintes temas: Fenômenos Meteorológicos, Climatologia, Eventos Extremos, Mudanças Climáticas, Modelagem Climática, Educação Ambiental, Análise de Impacto, Adaptação e Vulnerabilidade Climática em diferentes setores, tais como: meio ambiente, saúde, construção civil, espécies de plantas e animais.

Arquivos adicionais

Publicado

2024-05-30

Como Citar

CARVALHO DA SILVEIRA, Paula; PRESTES DE CRISTO, Jaqueline; GUIMARÃES CAMARGO CAMPOS, Claudia; PETRY RUFATO, Daiana. ESTUDO DO POTENCIAL ENERGÉTICO FOTOVOLTAICO DAS CAPITAIS DOS ESTADOS DO SUL DO BRASIL. Geoambiente On-line, Goiânia, n. 48, 2024. Disponível em: https://revistas.ufj.edu.br/geoambiente/article/view/76817. Acesso em: 19 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos