Produção de web-documentário: sobre a ausência da temática cultura e história africana e afro brasileira nos cursos de formação docente

Autores

  • Antonio Cesar Batista Alvino UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS
  • Marciano Alves dos Santos UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS
  • Marysson Jonas Rodrigues Camargo UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS
  • Vander Luiz Lopes dos Santos UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS
  • Anna M. Canavarro Benite UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS

DOI:

https://doi.org/10.5216/rir.v15i2.54725

Resumo

Este artigo descreve a produção de um web-documentário, uma mídia audiovisual, feita por professores de química. Nele são apresentadas algumas características da cultura e da linguagem de produção. O projeto de natureza experimental apresenta um retrato midiático multifacetado sobre a implementação da lei n. 10.639/2003 numa instituição de ensino superior.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Antonio Cesar Batista Alvino, UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS

Mestre e Licenciado em Química pela Universidade Federal de Goiás (UFG/2017), Atualmente aluno de Doutorado do Programa de Pós-Graduação do Instituto de Química (PPGQ/UFG), Laboratório de Pesquisa em Educação Química e Inclusão, LPEQI da UFG, Associado a Sociedade Brasileiro Química. Atua na área de Ensino de Química com foco nos seguintes temas: Descolonização do Currículo de Ciências, multiculturalismo, história e cultura africana e afro-brasileira no ensino de ciências.

Marciano Alves dos Santos, UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS

Graduado em Química pela Universidade Federal de Goiás (2014), Atualmente aluno do Programa de Pós-Graduação do Instituto de Química da Universidade Federal de Goiás, Laboratório de Pesquisa em Educação Química e Inclusão, LPEQI da UFG, Atua na área de Ensino de Química com foco nos seguintes temas: cultura e história africana no ensino de ciências e ensino de ciências de matriz africana.

Marysson Jonas Rodrigues Camargo, UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS

Doutorando em Química no Programa de Pós-Graduação em Química do Instituto de Química da UFG. Sou mestre em Química pelo mesmo programa com dissertação defendida na área de Ensino de Ciências/Química. Sou também Licenciado desde 2015 em Química pela Universidade Federal de Goiás em Goiânia - GO, onde fui bolsista do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência (PIBID) e aluno de iniciação científica do Laboratório de Pesquisas em Educação Química e Inclusão do Instituto de Química (LPEQI -IQ) atuando na linha de pesquisa "Implementação da Lei 10.639/03 no Ensino de Ciências/Química"

Vander Luiz Lopes dos Santos, UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS

Licenciado em Química pela Universidade Federal de Goiás (2013). Pós-graduado em Química, com ênfase na área de Ensino de Química, especialmente àquelas deslocadas para o deslocamento epistêmico do currículo de Ciências, a partir da valorização da contribuição africanas e negra brasileiras presentes em nossa cultura.

Anna M. Canavarro Benite, UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS

Doutora e Mestre em Ciências e Licenciada em Química (UFRJ/ 2005). Professora Associada e Coordenadora do PIBID QUÍMICA da Universidade Federal de Goiás. Coordenadora do Laboratório de Pesquisas em Educação Química e Inclusão- LPEQI da UFG (2006) onde instituiu em 2009 o Coletivo CIATA- Grupo de Estudos sobre a Descolonização do Currículo de Ciências, cujas ações desenvolvidas renderam em 2013 - Diploma de Reconhecimento por ação cotidiana na luta pela defesa, promoção e proteção dos direitos humanos em Goiás; em 2014 - Honra ao Mérito pela Assessoria Especial para Direitos Humanos e Cidadania; 2016- Prêmio Mulher Combativa pela Câmara Municipal de Goiás. Representante do Conselho Estadual de Promoção da Igualdade Racial do Estado de Goiás. Ativista do Grupo de Mulheres Negras Dandara no Cerrado. Membro do Conselho Nacional de Promoção da Igualdade Racial - CNPIR. (2016/2018),Coordenadora da Rede Goiana Interdisciplinar de Pesquisas em Educação Inclusiva- RPEI. Membro da Associação Brasileira de Pesquisa em Ensino de Ciências e Presidente da Associação Brasileira de Pesquisadores/as Negros/as. Assessora da Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado de Goiás. Atua na área de Ensino de Química com foco nos seguintes temas: cultura e história africana no ensino de ciências, ensino de ciências de matriz africana e da diáspora, cibercultura na educação inclusiva e políticas de ações afirmativas.

Referências

APPLE, M. W. Ideologia e currículo. Trad. de Vinicius Figueira. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2006.

ARROIO, A.; GIORDAN, M. O vídeo educativo: aspectos da organização do ensino. Química Nova na Escola, v. 24, p. 8-11, 2006.

AUTORES, 2012.

AUTORES, 2013.

AUTORES, 2018.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Parecer CNE/CP n. 003/2004. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico-Raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/cnecp_003.pdf.

BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Lei n. 10.639, de 9 de janeiro de 2003. Altera a Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da Rede de Ensino a obrigatoriedade da temática "História e Cultura Afro-Brasileira", e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/2003/L10.639.htm.

BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Lei n. 11.645, de 10 de março de 2008. Altera a Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996, modificada pela Lei n. 10.639, de 9 de janeiro de 2003, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da rede de ensino a obrigatoriedade da temática “História e Cultura Afro-Brasileira e Indígena”. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/lei/l11645.htm.

CARMO, N. L.; BUFREM, L. S.; CORREIA, A. E. G. C. A Lei 10.639/03 no Diretório de Grupos de Pesquisa Registrados no CNPq. In: XVI Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação, 2015.

GAUTHIER, G. O documentário: um outro cinema. Campinas: Papirus, 2011.

GOMES, N. L. Cultura negra e educação. Revista Brasileira de Educação, n. 23, maio.-ago. 2003a.

______. Educação, identidade negra e formação de professores/as: um olhar sobre o corpo negro e o cabelo crespo. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 29, n. 1, 2003b.

______. Ações Afirmativas: dois projetos voltados para a juventude. In: GONÇALVES E SILVA, P.; SILVÉRIO, V. R. (Org.). Educação e ações afirmativas: entre a injustiça simbólica e a injustiça econômica. Brasília: Inep, MEC, 2003c. p. 217-243.

GREGOLIN, M.; SACRINI, M.; TOMBA, R. A. Web-documentário: uma ferramenta pedagógica para o mundo contemporâneo. 2002. Trabalho de conclusão de curso (Graduação) – Faculdade de Jornalismo, Pontifícia Universidade Católica de Campinas, Campinas, 2002.

GRINGNON, C. Cultura dominante, cultura escolar e multiculturalismo popular. In: SILVA, T. T. (Org.). Alienígenas na sala de aula. Petrópolis, RJ: Vozes 2013. p. 173-183.

MACHADO, A. H.; MORTIMER, E. F. Química para o ensino médio: fundamentos, pressupostos e o fazer cotidiano. In: ZANON, L. B.; MALDANER, O. A. (Orgs.). Fundamentos e propostas de ensino de Química para a educação básica no Brasil. Ijuí: Ed. Unijuí, 2007.

MODOLO, A.D.R. Hipertextualidade e relações dialógicas no gênero digital microblog político dos candidatos à presidência do Brasil nas eleições de 2010. Dissertação de mestrado. Universidade de São Paulo, 2012.

MORAN, J.M. Como ver televisão. São Paulo: Paulinas, 1991.

NICHOLS, B. Introdução ao documentário. Campinas: Papirus, 2005.

NUNES FILHO, P. Processos de significação: hipermídia, ciberespaço e publicações digitais. Barcelona, Espanha, 2003. 9p. Disponível em: http://www.ipv.pt/forumedia/6/8.pdf. Acesso em: 9 jun. 2018.

ONOFRE, J. A. Repensando a questão curricular: caminho para uma educação antirracista. Revista Praxis Educacional, Vitória da Conquista, v. 4, n. 4, p. 103-122, 2008.

PASSOS, J. C.; RODRIGUES, T. C.; CRUZ, A. C. J. O impacto das ações afirmativas no currículo acadêmico do ensino superior brasileiro. Revista da ABPN, v. 8, n. 19, p. 8-33, 2016.

PENAFRIA, M. O filme documentário. Lisboa: Edições Cosmos, 1999.

RODRIGUES, C. J. Documentário, educação e os sujeitos do diálogo: personagens, documentaristas e expectadores." In: III Congresso Internacional de la Asocición Argentina de Estudios de Cine y Audiovisual, Córdoba, 2012.

RODRIGUES FILHO, G. et al. A bioquímica do candomblé – Possibilidades didáticas de aplicação da lei federal 10.639/03. Química Nova na Escola, v. 33, p. 85-92, 2011.

SANTOS, W. O. Racismo discursivo na mídia: análise a partir dos personagens presentes nos cadernos dominicais. Revista da ABPN, v. 2, n. 4, 2011.

SILVA, T. T. Documento de identidade: uma introdução às teorias do currículo. 2. ed., 5. reimp. Belo Horizonte: Autêntica, 2003.

SOUZA, R. B.; RIBEIRO, J. P. M. Documentários e o Programa Etnomatemática: um novo olhar em questão na formação inicial de Professores de Matemática. In: Anais do X Encontro Nacional de Educação Matemática. Salvador, 2010.

THOMPSON, J. B. Ideologia e cultura moderna: teoria social crítica na era dos meios de comunicação de massa. Petrópolis, RJ: Vozes, 1995.

Downloads

Publicado

2020-04-20

Como Citar

ALVINO, Antonio Cesar Batista; SANTOS, Marciano Alves dos; CAMARGO, Marysson Jonas Rodrigues; SANTOS, Vander Luiz Lopes dos; BENITE, Anna M. Canavarro. Produção de web-documentário: sobre a ausência da temática cultura e história africana e afro brasileira nos cursos de formação docente. Itinerarius Reflectionis, Goiânia, v. 16, n. 2, p. 01–14, 2020. DOI: 10.5216/rir.v15i2.54725. Disponível em: https://revistas.ufj.edu.br/rir/article/view/54725. Acesso em: 23 abr. 2024.

Edição

Seção

Artigos Livres